Mensagem da Semana

E, eis que cedo venho, e o meu galardão está comigo, para dar a cada um segundo a sua obra. Apocalipse 22:12

sexta-feira, 29 de abril de 2016

Em dois meses mais de 4 mil pessoas foram atendidas na Carreta da Hanseníase




O Governo do Estado, por meio da Secretaria de Estado da Saúde (SES), inovou no combate à Hanseníase com ações voltadas para a busca ativa e diagnóstico precoce da doença. Prioridade na pasta da saúde pelos números de casos notificados no Estado, a população ganhou a partir do governo Flávio Dino uma importante aliada: a Carreta da Hanseníase.

O projeto é do grupo farmacêutico Novartis, desenvolvido em um esforço conjunto com o Ministério da Saúde (MS), Secretarias Estaduais de Saúde, Secretarias Municipais de Saúde e do Conselho Nacional de Secretarias de Saúde (Conass) e do Conselho Nacional de Secretários Municipais de Saúde (Conasems).

Desde 2009 ele é executado no Brasil como um centro de saúde móvel atendido por um grupo multidisciplinar de profissionais de saúde locais que viajam para as regiões do país mais afetadas pela doença e prestam os seus serviços.

A carreta é composta por cinco consultórios e um laboratório para diagnóstico e faz distribuição gratuita de medicamentos. Por sua expressividade, o Governo do Estado solicitou ao Ministério da Saúde os serviços da Carreta, que passou a ter um programa de atuação nos municípios maranhenses.

O trabalho da Carreta da Hanseníase no Maranhão foi divido em dois roteiros, até agora. O segundo ciclo de atendimentos começa nesta terça-feira (26), que será realizado até o dia 08 de julho. Nesta segunda fase, 37 municípios receberão a Carreta da Hanseníase.

O primeiro roteiro da Carreta teve início no dia 16 de fevereiro em São Luís, e foi finalizado no dia 19 de abril no município de Fernando Falcão. Nesse primeiro ciclo, foram realizados 4.030 atendimentos em 25 municípios do Estado. Ao todo 107 novos casos foram diagnosticados e 63 casos suspeitos estão em investigação pelas equipes de Atenção Básica dessas localidades.

Para o secretário de Estado da Saúde, Marcos Pacheco, prevenir, diagnosticar e tratar a Hanseníase é prioridade na gestão de saúde do governador Flávio Dino. “Esta ação pioneira aqui no Maranhão, de trazer a carreta, só foi possível graças à sensibilidade e esforço do governador Flávio Dino. Nosso estado está há mais de 15 anos no ranking de maior incidência de casos da doença no país. Mas esse é apenas o começo para mudarmos a situação, além de trazer a carreta, o estado investe fortemente na busca ativa destes pacientes. Estamos bem próximos de sairmos desta estatística”, explicou o secretário.

De 13 a 15 de abril, a Carreta da Hanseníase esteve na cidade de Barra do Corda. A coordenadora municipal do Programa da Hanseníase, Cristiana Marcelino da Silva, trabalha no programa há 15 anos e, segundo ela, atualmente é possível ver os resultados das ações de saúde realizadas em parceria com o estado.

“Temos visto as ações inovadoras que o estado está realizando e é possível observar o olhar de atenção para a população maranhense. Esta é a primeira vez em 15 anos que vejo iniciativas como essa da Carreta aqui em nossa cidade. Em três dias foram 200 atendimentos com três casos confirmados. A população se demonstrou satisfeita em poder contar com o serviço”, garantiu a coordenadora.

A auxiliar de cozinha Maria Auxiliadora, de 36 anos, que foi atendida na Carreta da Hanseníase nesse primeiro roteiro, contou como ficou sabendo do serviço e como foi o atendimento. “Soube que poderia fazer os exames na carreta pela internet, minha sobrinha viu em uma rede social e me avisou. Vim porque faz tempo que observo algumas manchas. Fico feliz por hoje ter dado certo e soube que não é a doença. Está tudo bem”, explicou Maria Auxiliadora.

Raimunda Mendonça, coordenadora Estadual do Programa da Hanseníase, explicou o interesse do estado em trazer a Carreta para o Maranhão. “Sabemos da importância de interromper o ciclo de contágio dessa doença, e isso só é possível com a iniciação do tratamento. A Carreta é uma importante estratégia de mobilizar e ampliar os atendimentos. A população adere ao apelo visual da Carreta, as equipes locais prestam esses atendimentos e os resultados são as notificações de novos casos com a iniciação do tratamento”, disse.

Ainda segundo a coordenadora, a rotina normal de atendimentos não possibilita a mesma quantidade de exames e notificação. “Por vezes, nem mesmo aqueles que possuem suspeita da doença procuram a unidade básica de saúde. E as ações de busca ativa não têm suporte para alcançar esse mesmo quantitativo de atendimento. A carreta chama atenção e é um meio mais fácil da própria população ir em busca do serviço de saúde”, completou a coordenadora Raimunda Mendonça. 

Nenhum comentário:

Postar um comentário