Buriti, Novo Tempo, Nova História!

Buriti, Novo Tempo, Nova História!

Mensagem da Semana

E, eis que cedo venho, e o meu galardão está comigo, para dar a cada um segundo a sua obra. Apocalipse 22:12

ANTES NÃO TINHA, AGORA TEM!

ANTES NÃO TINHA, AGORA TEM!

COLABORADORES

COLABORADORES

quinta-feira, 31 de dezembro de 2009

RETROSPECTIVA 2009= O CASO DA GRAVIDA QUILOMBOLA DO CAFUNDÓ


Um ato desumano e brutal ocorreu no último dia 13/09/09 no hospital municipal da cidade de Coelho Neto – MA. O caso envolve uma grávida quilombola, de nome Elisiane da Rocha Martins, do quilombo Cafundó no município de Coelho Neto, e uma doutora por nome Diane. A historia começa assim, dia 12 a dona de casa quilombola Elisiane Martins deu entrada no hospital municipal já com dores para ganhar nenêm, mas, a tal doutora disse que ela iria ter nenêm lá pro fim do mês e mandou ela ir embora, e era umas três horas da madrugada a Doutora mandou fecha o portão do Hospital municipal,deixando a grávida para fora ela dizendo que não tinha pra onde ir aquela hora foi quando uma enfermeira por sua conta colocou a grávida dentro do hospital enquanto amanhecia o dia. Quando amanheceu o dia, as dores tinham aliviado, a dona de casa acreditando na médica voltou para a zona rural Mas, o pior estava por vir. Ao chegar em casa no final do dia as dores foram aumentando a ponto de passar a noite correndo sérios riscos. A falta de transportes dificultou o retorno pra o hospital que só ocorreu na manhã do dia 13 foi que ela sem poder mais andar mesmo assim foi trazida 24 kms de moto. Ao chegar no hospital, como não mais caminhava foi levada as pressas, mas, quando a Drª. Diana avistou ela já foi ironicamente rindo e dizendo que a grávida ela mole. Com muita insistência do esposo da grávida e com a intervenção de um bom medico, ela conseguiu ficar em observação. Mas isto por pouco momento a arcaica Diana, disse que ela tinha que sair do hospital, ela alegou que tinha um irmão que morava na cidade, mais não estava em casa, Foi quando a doutora disse a ela “se vire”. A mãe da grávida que lhe acompanhava para não ver a sua filha canha nenêm no meio da Rua, foi à casa de uma amiga de sua filha no bairro mutirão, que é esposa de um assessor de uma determinada secretaria do governo municipal. Foi quando o esposo da generosa amiga veio buscar a dona Elisiane Martins, de moto quando chegou em casa foi só para dar a luz a criança. Esta é a situação da saúde de Coelho Neto.

Nenhum comentário:

Postar um comentário