Buriti, Novo Tempo, Nova História!

Buriti, Novo Tempo, Nova História!

Mensagem da Semana

E, eis que cedo venho, e o meu galardão está comigo, para dar a cada um segundo a sua obra. Apocalipse 22:12

COLABORADORES

COLABORADORES

EM BURITI VISITE A RADICAL MOTOS

EM BURITI VISITE A RADICAL MOTOS

sexta-feira, 21 de março de 2014

Maranhão tem uma das piores coberturas de esgoto do País

Autor: Oswaldo Viviani e Jully Camilo - 
Sempre ocupando os últimos lugares nas pesquisas sobre saneamento básico feitas no país, o Maranhão oferece cobertura de esgotamento sanitário a apenas 16,39% dos seus cerca de 6,79 milhões de habitantes (só 1,11 milhão de pessoas atendidas), de acordo com o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). Na capital, São Luís, apenas 45,57% da população de 1.027.430 pessoas (468.199 indivíduos) são assiatidas por rede de esgoto, segundo a ONG Trata Brasil.
O assunto foi um dos principais temas do Seminário Interfederativo sobre Saneamento Básico e Metropolização, que reuniu em São Luís 12 prefeitos, além de secretários municipais, para discutir políticas públicas destinadas a atacar o problema. Ínfimos 6,5% dos municípios do estado (14 cidades) contam com esgotamento sanitário. O Maranhão só ganha do Pará (6,3% dos municípios com saneamento) e do Piauí (4,5%).
Vala da Areinha_foto Gferreira (5)
‘RIO DE FEZES’ – Em São Luís, uma vala extensa corta o bairro da Areinha e outros próximos ao centro, espalhando mau cheiro e carregando lixo de todo tipo (inclusive muitos móveis e sucatas de carros, jogados por moradores), fezes e animais mortos (bois, vacas, ovinos, gatos, cães). O “rio de fezes” desemboca no mangue que circunda a capital maranhense – que insiste em sobreviver, apesar da agressão diária –, e de lá a água fétida vai para o mar.
Às margens da vala, em meio à sujeira, é possível encontrar, todos os dias, vacas, bois e outros animais pastando.
O morador Adriano Rocha Alves, de 47 anos, contou que a vala foi construída pelo Estado há mais de três décadas. “Não resolveu o problema do esgoto de São Luís; só serviu para contaminar a Barragem do Bacanga, o mangue e o mar”, disse Adriano.
O comerciante Aguinaldo Avelar, 65, outro morador da Areinha, afirmou que muitos gestores públicos – prefeitos e governadores – prometeram cobrir a vala, mas as palavras nunca saíram do papel.
Sem saída, moradores da Areinha têm de se acostumar a conviver com moscas, mosquitos, baratas, ratos e até cobras que aparecem, de vez em quando, na vala. Sem contar as doenças, como dengue, diarreia, coceiras e micoses.
“Minha mulher já contraiu dengue e as crianças daqui vivem com doenças de pele e disenteria”, disse Aguinaldo.
Praia do caolho_foto Gferreira (23)
PRAIAS – Nas praias do Olho d’Água e do Caolho – as mais poluídas da orla de São Luís, segundo a Secretaria Estadual de Meio Ambiente (Sema) – curiosamente é um dos poucos locais do Maranhão em que há uma rede coletora e uma estação de tratamento de esgoto. O problema é que o projeto nunca cumpriu sua função desde quando foi inaugurado pela Companhia de Saneamento Ambiental do Maranhão (Caema), há pouco mais de cinco anos.
Dessa forma, os dejetos in natura que chegam à estação não são tratados. Em vez disso são lançados diretamente no Rio Pimenta, às margens do qual está localizada a estação, e de lá vão para o mar. Misturado ao esgoto, o Pimenta virou um “meio de transporte” de toneladas de fezes e outros detritos, lançados diariamente nas praias ludovicences.
Segundo Francilene Santos, 35, que nasceu e cresceu no Caolho, “antigamente era possível ver o fundo do Rio Pimenta, com seus peixes, siris e até jacarés”.
Atualmente, diz ela, “só se vê muita espuma, vinda das lavanderias dos hotéis da região”.
“Eu não entro mais no mar, pois já contraí coceira, frieira e outras micoses”, afirmou Francilene.
O surfista Francisco Olímpio, 26, contou que surfa na praia do Caolho há três anos, por ser um dos melhores locais para praticar o esporte, e que não teme mais as doenças. “Já peguei várias doenças de pele, mas acredito que já criei anticorpos, o corpo acostumou”.
Rua São Paulo_foto Gferreira (25)
JAMBEIRO – Outro bairro castigado pela falta de saneamento básico é o Jambeiro, na área Itaqui-Bacanga – a mais populosa de São Luís. A dona de casa Francisca Pereira, 59 anos, moradora da Rua Cruzeiro do Sul, contou que em algumas casas do Jambeiro existem fossas. Porém, em outras os dejetos fecais vão direto para a rua, o que provoca odor, sujeira e doenças.
Na Rua São Paulo, a situação é a mesma. A dona de casa Neurimar Silva, 41, informou que não tem fossa, mas o marido fez uma encanação para conduzir os dejetos para uma vala.
“O nosso esgoto vai da vala para um mangue, atrás de nossa casa. Porém, isso não resolve os nossos problemas, pois o povo das outras casas joga esgoto direto na rua. Quando chove, é um deus-nos-acuda. Já vi fezes espalhadas no chão várias vezes. Doenças não faltam. Eu e meus filhos fomos contaminados por dengue, e vivemos com coceira e outras micoses”.
Alguns moradores da rua construíram pequenas pontes para poder chegar a suas casas sem ter de pisar no esgoto.
Para o consultor da Associação Nacional dos Servidores de Saneamento, Wladimir Ribeiro – que participou do Seminário Interfederativo sobre Saneamento Básico e Metropolização –, o problema do saneamento em São Luís é a opção por sistemas separados, e não integrados, no tratamento do esgoto.
“Se não houver um planejamento que permita que essa questão se normalize ao longo do tempo, cada vez vai ficar mais difícil que São Luís tenha um saneamento adequado”, disse o consultor.

Nenhum comentário:

Postar um comentário