Mensagem da Semana

E, eis que cedo venho, e o meu galardão está comigo, para dar a cada um segundo a sua obra. Apocalipse 22:12

terça-feira, 2 de maio de 2017

Todos os envolvidos no conflito em Viana serão ouvidos, diz governador Flávio Dino

Governador Flávio Dino.
O governador Flávio Dino afirmou nesta terça-feira (02) que as providências para o dia de hoje sobre a lamentável violência ocorrida no povoado Bahias, na cidade de Viana, incluem a manutenção da presença da polícia no local, iniciada no dia do conflito. Haverá também uma inspeção do secretário de Segurança Pública na região.

Ele informou ainda que já foi instaurado Inquérito Policial sobre o caso e os envolvidos no conflito serão ouvidos: posseiros, gamelas, proprietários, políticos, etc.

“Neste momento, há três vítimas de violência sendo tratadas em hospital estadual. Estão sendo acompanhadas pelo Secretário de Saúde”, escreveu o governador no Twitter.

Ontem, o Governo divulgou nota oficial sobre o conflito. Leia abaixo:

Sobre a lamentável violência ocorrida no povoado Bahias, município de Viana, o Governo do Maranhão informa que:

A Polícia Militar do Maranhão atuou imediatamente no último domingo (30) apos ter conhecimento do conflito entre moradores da região e um grupo que reivindica reconhecimento como povo Gamela, evitando assim uma tragédia maior. A PM permanece no local com reforço do efetivo;

Durante o confronto, sete pessoas ficaram feridas, sendo cinco gamelas e dois não-gamelas. Um dos gamelas teve fratura exposta nas mãos, foi operado e continua internado. Dos sete feridos, três permanecem internados;

Equipes da Polícia Civil foram imediatamente encaminhadas ao local e a Secretaria de Estado de Segurança Pública já instaurou inquérito para investigar as condições em que o conflito ocorreu. Equipe da Secretaria de Direitos Humanos e Participação Popular também está sendo deslocada para a área em conflito.

O Governo do Estado encaminhou ofício ao Ministério da Justiça, pois compete ao Governo Federal definir se as terras em questão são indígenas ou não.

Nenhum comentário:

Postar um comentário